A classificação de GLOGAU: entenda os 4 níveis de envelhecimento e os bioestimuladores de colágeno

A classificação de GLOGAU: entenda os 4 níveis de envelhecimento e os Bioestimuladores de colágeno

Existem duas classificações muito utilizada na Harmonização Facial: a de Fitzpatrick (que divide a pele em 6 fototipos cutâneos que variam de acordo com a quantidade de melanina, com a capacidade de bronzear e/ou queimar quando se expõe ao sol) e a de Glogau. Hoje falaremos sobre esta segunda, que é relacionada o grau de envelhecimento cutâneo

.A classificação GLOGAU, ou a Glogau Wrinkle Scale, no original,  foi desenvolvida pelo médico dermatologista Richard G. Glogau, e teve um papel muito importante para a abordagem terapêutica e um dos dos principais critérios para escolher o tipo de tratamento de harmonização orofacial.

A escala estabelece 4 níveis de envelhecimento, os quais definem de maneira ampla quais são as alterações que podem ser vistas nas diferentes fases de desenvolvimento do ser humano, com exposição cumulativa à luz do sol. Sendo assim, a classificação é dividida por idade provável e descreve as principais características de cada uma delas.

Acompanhe a seguir com detalhes sobre cada nível de envelhecimento

Conheça quais os tipos de envelhecimento cutâneo

Podemos classificar os tipos de envelhecimento cutâneo em dois tipos: intrínseco e extrínseco. O primeiro (intrínseco) é conhecido como envelhecimento cronológico, ou seja, está diretamente relacionado com a genética de cada pessoa e é natural. O segundo (extrínseco) é resultado dos hábitos do indivíduo e fatores externos, como: má alimentação, exposição solar, tabagismo e poluição.

pele com fotoenvelhecimento, photoageing
As áreas expostas ao sol sofrem uma degradação muito maior do que as protegidas dos raios ultra-violeta. Fonte

Nos fatores intrínsecos, o envelhecimento está relacionado a diminuição da produção de colágeno. Da lista de fatores extrínsecos, a exposição solar é o principal, o qual também podemos nomear de fotoenvelhecimento. Esse fator se inicia a partir do excesso de exposição solar, a qual pode ser acelerada ainda mais com a falta de filtro de proteção. Nesse processo, há perda e degradação do colágeno da pele.

Classificação do GLOGAU: saiba os 4 níveis do envelhecimento

Essas alterações do colágeno são chamadas de base fisiopatológica, a qual dá início ao surgimento de rugas e linhas de expressão na face, além de deixar a pele mais fina e menos elástica. Isso deixa o tecido cutâneo e muscular mais fraco, resultando em flacidez e ptoses da derme (queda da pele).

Com o objetivo de compreender melhor o envelhecimento da pele e contribuir para a decisão do tratamento de cada paciente, foram criadas algumas classificações, sendo que a escala de GLOGAU é a mais utilizada entre os profissionais. Veja as características de cada nível, a seguir:

Nível/Tipo I

Glogau tipo I
Exemplo de uma pessoa com envelhecimento classificado como Glogau I,

Geralmente, surge em pessoas entre 20 a 30 anos. Consiste em uma pele com ausência de rugas ou tem algumas linhas mínimas, e possui um fotoenvelhecimento mais discreto, porém ainda considerado precoce. Os tecidos contam com alguns distúrbios pigmentares leves e com ausência de queratoses (feridas pequenas na pele) ou lentigos senis.

Nível/Tipo II

Exemplo de envelhecimento classificado como Glogau tipo II
Exemplo de envelhecimento classificado como Glogau tipo II

De modo geral, acomete pessoas dos 30 aos 40 anos. É caracterizado por peles com rugas e fotoenvelhecimento precoce moderado, linhas de expressão iniciais paralelas ao sorriso, queratoses palpáveis (manchas pelo pela exposição solar), mas não visíveis, presença de lentigos senis e telangiectasias iniciais.

 

Nível/Tipo III

Paciente com classificação Glogau tipo III já em um estágio mais avançado de envelhecimento.
Paciente com classificação Glogau tipo III já em um estágio mais avançado de envelhecimento.

Normalmente, acontece em pessoas entre 50 a 60  anos. A pele conta com rugas de repouso, o fotoenvelhecimento é avançado, as discromias são evidentes, ou seja, a pele não é uniforme e conta com várias manchas, há teleangiectasias (vasinhos visíveis), queratoses visíveis e presença de lentigos senis.

Nível/Tipo IV

Estágio avançado de envelhecimento que pode ser identificado como um nível Glogau 4
Estágio avançado de envelhecimento que pode ser identificado como um nível Glogau 4

Geralmente, afeta pessoas acima de 60 anos. É caracterizado pelo fotoenvelhecimento intenso,  diminuição da espessura da derme, pele amarelo-acinzentada (causada pelo aumento da espessura da camada córnea), rugas bem marcadas e em toda a face, e lesões actínicas pré malignas (as quais podem, eventualmente, virar câncer de pele).

Quais as principais causas do envelhecimento cutâneo?

O envelhecimento cutâneo é um processo natural do ser humano e não é possível evitar, apesar de ser possível retardá-lo. Conhecer as principais causas que levam ao envelhecimento precoce da pele contribuirá para auxiliar o paciente durante a consulta e entender o melhor tratamento para cada caso.

Entre as causas do envelhecimento da pele, podemos listar:

  • Acúmulo de radicais livres;
  • Diminuição da produção de colágeno, ácido hialurônico e elastina;
  • Aumento de inflamação;
  • Hiperpigmentação;
  • Redução da Angiogênese
  • Baixa hidratação cutânea
  • Dano celular (ou ao DNA da célula).

De modo geral, há tratamentos estéticos para cada um desses problemas, os quais podem prevenir ou amenizar os efeitos do envelhecimento precoce. É recomendado que o tratamento para prevenção desses transtornos se iniciem entre 25 a 30 anos e a Harmonização Facial está aí justamente para retardar estes efeitos em vários dos seus tratamentos.

Principais tratamentos que a Harmonização Facial pode oferecer

Tem coisas que o paciente deve fazer e que não depende diretamente de profissionais, usualmente são medidas preventivas: manter alimentação saudável, usar proteção solar, utilizar vestuários protetores (chapéus, bonés, óculos, etc., para reduzir a exposição solar), evitar tabagismo e alcoolismo;

Eventualmente, alguns tratamento tópicos diários podem ajudar: cosméticos antioxidantes, retinóides e da família dos alfa-hidroxiácidos;

Outros, podem ser tratamento sistêmicos ou orais: antioxidantes, flavonóides, ácido fenólicos e fotoproteção sistêmica.

E para isso, obviamente, o paciente deve ser pro-ativo e consciente que é algo de continuidade. O  hábito faz o monge, correto??

Já dentro na harmonização, há uma gama incrível de recursos, alguns curativos, outros preventivos: toxina botulínica, peelings químicos, preenchedores, laser, bioestimuladores de colágeno, fios de PDO e uma variedade incrível de terapêuticas. Mas vou chamar atenção de um que está na moda e é o queridinho da Harmonização Facial:

Bioestimuladores de Colágeno

Os bioestimuladores de colágeno são substâncias que aumentam a produção da proteína na região de aplicação na pele. Existem diferentes substâncias e tecnologias que ajudam nesse aspecto, deixando a pele com um aspecto de rejuvenescimento e naturalidade. O tratamento com os bioestimuladores de colágeno visa, de forma bem generalizada, estimular os fibroblastos, que são células que produzem as fibras colágenas — e deixam a pele firme e elástica.

.

histologia da pele, fotoenvelhecimento, photoageing
Características histológicas de pele normal e fotoenvelhecida. (A)Pele protegida do sol, (B) Pele fotoenvelhecida.
Em comparação com a pele protegida pelo sol, a pele fotoenvelhecida é notável por ceratinócitos atípicos, achatamento das papilas dérmicas e deposição de material basofílico amorfo na derme (processo chamado de elastose solar). Fonte

São as principais substâncias bioestimuladoras de colágeno:

  • Hidroxiapatita de Cálcio – composto de esferas com tamanhos entre 40 e 60 nm associado com carboximetilcelulose, tem uma duração no tecido de aproximadamente 8-10 meses
  • Ácido Poli-L-Lático, ou PLLA – composto de fragmentos deste polímero, com tamanhos variados, deve ser preparado previamente à aplicação e tem duração de 12 a 18 meses em tecido
  • Policaprolactona, ou PCL – também em esferas com tamanhos de 40 e 60 nm, em uma base também de carboximetilcelulose, mas com uma duração de 1 a 4 anos em tecido.

Cada um com suas propriedades e técnicas de aplicação. E temos ainda um outro medicamento que pode ajudar, apesar de não ser exatamente um bioestimulador de colágeno…

  • Ácido Hialurônico injetável ou os preenchedores faciais, skinbooster, etc. Atuam na retenção de água e é indicado para preenchimento de sulcos, rugas e reduzir ptose dos tecidos faciais com variados graus de flacidez

Lembre-se que não existe a melhor técnica ou a mais recomendada para cada classificação de GLOGAU. O profissional deve levar em consideração a necessidade, histórico de saúde, tipo de pele, disponibilidade e estilo de vida de cada paciente para determinar o melhor tratamento para aquela derme.

Acompanhe os posts do blog do Instituto Velasco para saber mais! Este texto está cheio de links com referências e artigos para download, e você pode receber semanalmente nossas newsletter, não deixe de assinar!


Publicado por:
Mestre em Medicina/Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial, Prótese Dentária, Prótese Bucomaxilofacial e em Harmonização Orofacial. Coordenador de cursos em Implantodontia e Harmonização Orofacial do Instituto Velasco, Diretor do Hospital da Face