harmonização facial, envelhecimento

Envelhecimento Facial

A única coisa que sobe com o passar dos anos é a gengiva.

Com esse dito popular em mente, temos um resumo do que é o envelhecimento. Impreciso, diga-se, porque a gengiva da arcada inferior também desce, mas o importante é a essência desta afirmação.

Depois do 20 e até os 50 anos (aproximadamente) acontece um equilíbrio no turnover ósseo, ou seja, todo osso que é reabsorvido de forma fisiológica é apositado, ou seja, tudo que é reabsorvido é formado novamente, e desse modo fica por alguns anos, até que começa acontecer uma inversão neste fluxo: começa ter mais ação dos osteoclastos e o osso sofre mais reabsorção do que deposição.

harmonização facial, envelhecimento
Turn-over ósseo negativo em região de face

Usualmente isso acontece após os 40 anos em média em mulheres, e um pouco mais pra frente em homens, e vai se agravando a medida que a mulher entra em menopausa (e o homem em andropausa, mas em homens isso vai acontecer muito depois do que em mulheres)

Esta redução do turnover ósseo vai levar a uma reabsorção fisiológica em várias regiões faciais, e ao perder ou alterar a base de apoio dos compartimentos de gordura, das origens musculares, todo tecido facial acaba sendo envolvido.

Já vimos sobre os compartimentos de gordura, que também tem suas alterações de volumes, e cuja ptose (ou mudança de posição) está relacionada aos ligamentos faciais.

Esta ptose, tanto em homens como em mulheres, respondem de formas semelhantes.

harmonização facial, envelhecimento
A ptose facial segue padrões semelhantes em homens e mulheres

Forma-se o Jowl, o nasolabial se aprofunda, o lábio perde sua eversão, o filtro labial se planifica, o nariz tem um aumento de volume (pelas glândulas sebáces que se hipertrofiam associado ao aumento da abertura Piriforme), a têmpora se aprofunda pela reabsorção da gordura profunda, os ligamentos ficam frouxos devido à degradação do colágeno, e que este não é reposto pelo aumento dos fibroblastos senescentes, a sobrancelha sofre uma ptose pela perda dos volumes de gordura e flacidez dérmica, os olhos ficam com aspecto cansado pela alteração do rebordo ósseo alveolar e hiernação da gordura intra-orbitária, o contorno mandibular vai deixando de existir porque todo o tecido facial está se sobrepondo a ele…

Como já ouvi por aí, envelhecer é rolar ladeira abaixo.

Então aqui temos uma informação importante: Qual seria o momento certo para oferecer um tratamento com preenchedores faciais e diminuir os efeitos do envelhecimento?

Não é uma resposta simples, mas quero fazer algumas observações e que vai envolver outros procedimentos da Harmonização:

Um paciente jovem, 20/30 anos, os tratamentos têm foco preventivo. Toxina botulínica, Preenchedores para pequenas correções, terapias térmicas para manter a renovação de colágeno, coisas simples, se formos observar. Neste público é mais frequente a insatisfação com algum aspecto da face (“lábio fino”, “mandíbula sem definição”, nariz “batatudo”) do que propriamente um problema ou algo derivado do envelhecimento.

harmonização facial, envelhecimento
Acompanhar o padrão de envelhecimento na familiar é uma forma de previnir o envelhecimento de forma objetiva, focando nos pontos de maior importância.

Na faixa dos 40/50 anos os sinais de envelhecimento começam a dar o ar das graças, aí não é mais tratamentos preventivos, e sim terapêuticas mais complexas e elaboradas. Bioestimuladores de colágeno, fios de sustentação, peelings mais profundos, complementados por toxina botulínica e preenchedores para uma melhor finalização dos resultados.

Após os 60 anos as alterações estão invariavelmente presentes e neste momento a busca é por evitar que se agrave os sinais do envelhecimento. Então os tratamentos com foco em redução de flacidez com peelings e bioestimuladores de colágeno, fios de PDO e de sustentação são os principais a serem adotados. A toxina tem pouco ou nenhum efeito mas deve ser aplicada de forma frequente, e os preenchedores, neste momento, não tem mais capacidade de “resolver” problemas, mas sim de buscar um refinamento dos resultados e manter o turgor dérmico.

Claro que você, leitor, pode discordar do colocado, pois afinal quem “começou a se cuidar aos 20 anos vai chegar aos 60 muito bem”, e o importante é entender que não discordo disso, mas também não é a regra.

Preenchedores não é um tratamento completo a não ser que poucas correções sejam necessárias. Particularmente não somos adeptos de usar preenchedores para fazer transformações faciais, mas sim utilizá-los de forma coerente para manter a jovialidade e naturalidade nos pacientes que nos procuram.

É disso que trata-se a harmonização facial!


Publicado por:
Mestre em Medicina/Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial, Prótese Dentária, Prótese Bucomaxilofacial e em Harmonização Orofacial. Coordenador de cursos em Implantodontia e Harmonização Orofacial do Instituto Velasco, Diretor do Hospital da Face. Trabalha desde 2011 em harmonização facial.