tipos de preenchedores

Porque existem preenchedores com visco-elasticidades diferentes? Como escolher?

É confuso num primeiro momento pela variedade e quantidade que temos de preenchedores disponíveis, mas a escolha da melhor densidade do preenchedor facial deve ser considerada já no momento da avaliação. E não é tão difícil assim, basta considerar alguns pontos.

1. Se você não tem experiência, ou tem poucos casos feitos, não fique mudando de marca a toda hora. Foque em uma marca, que tenha um bom custo-benefício e que possa oferecer resultados seguros. Em resumo, escolha, em um primeiro momento, algum laboratório que tenha respaldo científico e uma grande quantidade de usuários.

2. Dentro desta marca, tenho certeza, você vai encontrar pelo menos 3 densidades diferentes, viscoelasticidade baixa, média e alta. E é a partir desta informação que vamos fazer a escolha.

3. Entender as propriedades do preenchedor. Não vou ficar aqui dedicado a falar detalhes e minúcias da reologia dos preenchedores pois não é o foco (mais abaixo você tem uma leitura complementar se desejar se aprofundar no tema), mas vou chamar atenção o que devemos considerar nesta escolha daqui a pouco

4. Escolher o preenchedor baseado no objetivo do tratamento e em como o tecido/área facial irá responder a estas propriedades, e este é o que quero discutir a partir de agora.

Linhas dos Ligamentos de Cotofana

linhas dos ligamentos de cotofana, line of ligaments cotofana
LInha que “une” os ligamentos temporais, orbicular lateral, zigomático cutâneo, massetéricos e mandibular

Esta linha separa a área “fixa” da face da área móvel, informação chave para escolha do preenchedor. Tudo que fica atrás da linha, no sentido do crânio, é considerado uma área fixa, com menos mobilidade, e tudo que fica para a frente, é a área móvel, da mímica facial.

Ações dos preenchedores sobre os tecidos faciais

Existem três ações principais (ou objetivos) dos preenchedores a se considerar:

  • Oferecer uma base ou suporte profundo cujo efeito clínico é de “lift facial” e sustentação tecidual
  • Preencher as irregularidades causadas pelas alterações do envelhecimento, que é o chamado “refinamento” dos resultados.
  • Mudar o formato ou o aspecto clínico de algo esteticamente “indesejado”, por exemplo um lábio sem vermelhão visível, equilibrar as proporções faciais, fazer a projeção do mento, destacar ângulo de mandíbula, etc

Em um tratamento completo, estas ações normalmente não acontecem de forma dissociada ou isoladamente, apesar de muitas vezes ser o objetivo principal, no caso de um lábio, por exemplo.

Ações dos tecidos faciais sobre os preenchedores

A face é uma estrutura anatômica complexa que está sujeita a várias combinações de forças, aplicadas em de forma simultânea em vários pontos. O rosto está sujeito a dois tipos de forças:

Forças intrínsecas: O conjunto de tensões e movimentos entre os diferentes tecidos faciais (ossos, músculos, gordura e pele), tanto quando estático como em movimento

Forças extrínsecas: Relacionadas à vida diária e às atividades (sono, alimentação, fala, beijos, etc).

Toda dinâmica facial se reflete em forças sobre os materiais preenchedores, e são as propriedades destes materiais que podem refletir em melhores ou piores resultados clínicos.

Forças que são exercidas nos preenchedores

Forças exercidas nos preenchedores faciais
Principais forças exercidas sobre os preenchedores faciais.

Torção: a ação de torção ou o estado de ser torcido, especialmente de uma extremidade de um objeto em relação à outra.

Cisalhamento: deformação produzida por pressão na estrutura de uma substância, quando suas camadas são deslocadas lateralmente uma em relação à outra.

Alongamento: ser feito ou capaz de ser feito mais longo ou mais largo sem rasgar ou quebrar.

Compressão: a ação de comprimir ou ser comprimido.

Outra propriedade importante a ser entendida é a coesividade do material, que é a capacidade do preenchedor se manter coeso, unico, independente das forças que são aplicadas sobre o gel de ácido hialurônico.

Qual característica dos preenchedores em relação a cada local da face?

Região Facial

Forças Locais

Propriedades Desejadas

Região infra-orbitária

Alto cisalhamento, pequena compressão

alta maleabilidade e alguma resistência à compressão e baixa coesividade. E como complemento ideal, baixa absorção de água.

Têmpora

Alta compressão, baixo cisalhamento

alta resistência à compressão e elevada coesividade

Terço médio profundo

Média/alta compressão, baixo cisalhamento

Moderada a alta coesividade e resistência à compressão

Terço médio superficial

Média/Baixa compressão, médio cisalhamento

Baixa a moderada coesividade,  e moderada resistência à deformação

Vermelhão dos Lábios

Grande alongamento, alta compressão

Boa coesividade com alta maleabilidade

Parte cutânea labial

Baixa compressão, baixo cisalhamento

Baixa coesividade e Baixa resistência à deformação

Região Peri-oral

Compressão e cisalhamento baixo/intermediário

Baixa a moderada coesividade, boa resistência ao cisalhamento

Por esta tabela, já deu pra perceber que não existe como utilizar um único material para toda a face, então o importante é entender estas características dos tecidos e fazer um planejamento levando em consideração todas estas variáveis.

Com o passar do tempo é um processo automático a seleção do produto mais adequado, e o profissional perceberá que nem sempre uma única marca atende a todas as demandas, então, como sugeri no início, fique inicialmente com uma única marca de sua escolha, e aos poucos vá trabalhando com outras e entendendo como e porque mudar em algumas situações clínicas.

Leitura Complementar


Publicado por:
Mestre em Medicina/Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial, Prótese Dentária, Prótese Bucomaxilofacial e em Harmonização Orofacial. Coordenador de cursos em Implantodontia e Harmonização Orofacial do Instituto Velasco, Diretor do Hospital da Face. Trabalha desde 2011 em harmonização facial.