Porquê sumiu o Botulift do mercado??

Porquê sumiu o Botulift do mercado??

Atualizado em 21/março/22 – 

Vou primeiro dar um spoiler: Não, o Botulift NÃO perdeu registro da Anvisa como as más linguas estão comentando… E posso dar uma certeza pois no site da Anvisa mostra que o registro está válido até 2030.

Não, a Dermadream, a representante do medicamento, junto com a Bergamo farmacêutica, também não abriu falência.

Isso são os invejosos que espalham. Então não tem nada disso. Mas vamos chegar lá.

 

Botulift é um nome “brasileiro” para um medicamento que fora do Brasil é chamado de Medytoxin® ou Neuronox® e é produzido pela farmacêutica sul-coreana Medytox. Este laboratório é um dos grandes players deste mercado bilionário da estética facial, e a segunda maior empresa sul-coreana neste segmento, com seu produto no mercado desde 2006.

Um primeiro rolo…

Em 2019 a Medytox (junto com seu parceiro de desenvolvimento, a  Allergan, conhece?) entraram em um processo contra a Daewoong Pharmaceutical por “apropriação indevida de segredos comerciais de fabricação da toxina botulinica”, ou seja, supostamente a Daewoong havia usado patentes e segredos industriais da Medytox/Allergan, além de usarem a cepa bacteriana da Medytox, para produzir sua própria toxina (Qual é a toxina? A Nabota, por aqui representada pela Innovapharma, e que está no mercado mundial desde 2014)

Mas olha que curioso: em fevereiro de 2019 o Daewoong Pharmaceutical obteve aprovação de vendas da Food and Drug Administration dos EUA em fevereiro de 2019.

A Daewoong Pharmaceutical rebateu o argumento, dizendo que seu produto de toxina botulínica tem sua própria cepa nativa e que a Medytox estaria tentando bloquear as importações dos EUA de seu produto rival.

No que deu esse processo? As empresas chegaram a um acordo e hoje o Nabota está no mercado americano com o nome de Jeuveau, além da Europa, Canadá, Brasil e outro tantos países…

Tudo resolvido, mas abala a confiança na empresa, não?

O rolo atual…

Há pouco tempo, 2020/2021, a Medytox enfrentava um problema com a justiça sul-coreana por supostamente manter comercio de forma irregular a empresas chineses, e isso envolveu algo mais severo à empresa: o Ministério da Segurança de Alimentos e Medicamentos da Coréia do Sul (na sigla KFDA, seria algo como a ANVISA deles) revogou a aprovação de exportação de cinco produtos BTX – Meditoxin 50, 100, 150, 200 unidades e Coretox.

Ou seja, desde 2021 a empresa (Medytox) vem brigando para poder exportar seus produtos, com uma queda muito grande em seus ganhos anuais, ainda mais depois de perder o mercado chinês…

Neste mesmo ano, lá por fevereiro,  ministério sul-coreano concedeu o aval para a exportação de Coretox (outra marca da empresa) e Meditoxin 150U e, em março, do Meditoxin 100U, ou seja, abriu uma a chance para enviar produtos BTX recém-produzidos.

Em novembro/21 houve uma auditoria surpresa do KFDA dentro da Meditox e lá vão restrições novamente, sob argumento que continuavam “contrabandeando” toxina para o mercado chinês e mesmo vendendo medicamentos para distribuidoras sem a devida aprovação do KFDA.

Então veja que a Medytox vem neste último ano brigando um bocado para exportar seus produtos, e obviamente que o Brasil, sendo um dos principais mercados da empresa, está também sofrendo com isso…

Existem outros dois medicamentos sul-coreanos em situações parecidas, um deles é o ReNTox da Pharma Research Bio  (que não tem por aqui). Mas tem ainda quatro tipos de Botulax da Hugel  (que chega aqui com o nome de Botulim), que poderá enfrentar algumas dificuldades na entrada do Brasil, por enquanto estão com a importação regular.

Fechando o assunto

Segundo informações da Dermadream (tive contato com a diretora, Icbal, no dia 11 de março/22) ocorreram problemas burocráticos de importação com 6 lotes entregues em setembro/21 e que ficaram muito tempo guardados no desembaraço alfandegário.

Por receio de não terem se mantidos com um armazenamento adequado, foram devolvidos ao fornecedor pela importadora, assim era esperado que o estoque por aqui sofresse uma baixa…

E na reposição destes lotes, chegaram outros porém estes precisam de um “Termo de guarda e responsabilidade de matérias-primas e produtos sob vigilância sanitária”, que é um comprovante, para a ANVISA, que o material foi mantido de forma adequada desde sua origem (na Coréia do sul) até sua chegada por aqui.

Este termo já foi entregue à ANVISA e breve será normalizada a distribuição do Botulift no Brasil Então chega de polemizar, logo logo tudo estará resolvido!

Hasta!


Publicado por:
Mestre em Medicina/Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial, Prótese Dentária, Prótese Bucomaxilofacial e em Harmonização Orofacial. Coordenador de cursos em Implantodontia e Harmonização Orofacial do Instituto Velasco, Diretor do Hospital da Face. Trabalha desde 2011 em harmonização facial.