Sappire PDRN é cosmético ou medicamento? Tem ANVISA?

Sappire PDRN é cosmético ou medicamento? Tem ANVISA?

Sappire não quer dizer nada. Talvez uma tentativa de chamar de “saphire”, mas por algum equivoco gramatical colocaram Sappire. E o Sappire PDRN é um “concorrente”, por assim dizer, do EVO PDRN que tratamos em outro artigo.

E não só isso: além de compartilhar o nome (PDRN), ter a mesma indicação clínica, do mesmo modo este produto está com o registro ERRADO na ANVISA.

Na verdade este produto consta como “ISENTO DE REGISTRO”. Ou seja, malandramente colocaram um MEDICAMENTO QUE O PROPRIO DISTRIBUIDOR RECOMENDA SER INJETADO EM PAPULAS no mesmo nível de um sabonete, um perfume ou mesmo uma pomada para rugas. Leia até o final e irá entender o tamanho do trambique.

Ainda duvida, Tomé? Clique aqui e confira o que estou falando acima. Coincidência? Penso que não. Me parece mais o ethos das empresas e representantes destes produtos no Brasil, tanto da EVO como da Ibetex. Mas leia até o final e vamos mostrar alguns agravantes ainda. Mais preocupantes.

Mas vamos por partes:

O que é o Sappire PDRN?

Também fabricado na Coréia por uma empresa chamada Dermakor, é mais uma das milhares de opções em skinbooster  do mercado. Com a diferença que o Sappire PDRN se diz premium por conter o tal “DNA do Salmão”, o DNA Sódico ou ainda o Polidesoxirribonucleotídeo, que tem várias propriedades interessantes, confesso.

Mas como não conseguimos localizar nenhuma literatura deste medicamento, vamos fazer uma análise dos componentes, para entender qual é o potencial de resultado que o Sappire PDRN poderia trazer.

Os ativos dérmicos existentes neste medicamento são:

  • Ácido Hialurônico
  • Ácido Retinóico
  • PDRN ou Polidesoxirribonucleotídeo
  • Palmitol Pentapeptídeo
  • Acetil hexapeptídeo
  • Glutationa

Pra que serve cada um deles? Vamos explicar brevemente:

Ácido Hialurônico

O ácido hialurônico é uma substância produzida naturalmente pelo nosso corpo que possui uma grande capacidade de retenção de água, proporcionando hidratação e volume para a pele. Com o passar do tempo, sua produção diminui, levando ao surgimento de rugas e flacidez.

O rejuvenescimento facial com ácido hialurônico através da intradermoterapia, portanto, é um procedimento minimamente invasivo que atua no preenchimento de rugas e linhas de expressão, restauração do volume e melhora da hidratação cutânea, proporcionando uma aparência mais jovem e saudável.

Ácido Retinóico

O ácido retinóico, também conhecido como tretinoína, é uma forma de vitamina A que tem um papel fundamental na renovação da pele. Ele promove a descamação de células mortas, acelera a taxa de renovação celular e estimula a produção de colágeno, resultando em uma pele mais jovem, firme e com menos rugas e manchas.

Mas aqui, o que pega em relação a este ativo, é que o ácido retinoico é tipicamente usado como uso oral ou em forma tópica como cremes, géis ou sérum para o tratamento de problemas de pele, incluindo acne, psoríase, e para fins de rejuvenescimento da pele.

Mas no Sappire PDRN ele tem a aplicação intradérmica. Ou seja, injetado. Ainda que existam referência que sugerem o uso intradérmico em concentrações bem baixas (0,02% no caso deste artigo), definitivamente não é um uso tradicional.

PDRN (Polidesoxirribonucleotídeo)

O DNA polideoxiribonucleotídeo (PDRN) é uma substância que tem ganhado atenção na indústria da beleza por suas propriedades rejuvenescedoras. O PDRN é composto de cadeias de DNA purificadas e fragmentadas, que são extraídas de salmão e trutas do Pacífico. Essas cadeias de DNA têm a habilidade de estimular o metabolismo celular e o processo de cura e regeneração da pele, tornando-as um poderoso agente rejuvenescedor, conforme explicamos em um artigo anterior.

O PDRN atua ativando os receptores de adenosina nos fibroblastos, que desempenham um papel importante na bioenergética celular e na sinalização celular. Isso estimula a angiogênese (processo de formação de novos vasos sanguíneos), aumenta a síntese de colágeno e a proliferação celular, e acelera a recuperação de feridas e danos na pele. O resultado esperado é uma pele mais jovem, com textura e tom melhorados, e uma redução nas rugas e linhas finas.

A intradermoterapia, ou mesoterapia, com PDRN envolve a injeção da substância diretamente na derme. Este método de administração permite que o PDRN atinja as camadas mais profundas da pele, onde ele pode ser mais eficaz.

Palmitol Pentapeptídeo, ou Matrixyl

O Palmitol Pentapeptídeo, também conhecido como Matrixyl, é um peptídeo sintético que se tornou popular em produtos de cuidados com a pele por sua capacidade de estimular a produção de colágeno e reparar a pele danificada. Esses efeitos se devem ao seu papel como um mensageiro celular, que sinaliza a pele para produzir mais colágeno e elastina, as proteínas responsáveis pela firmeza e elasticidade da pele.

No contexto do rejuvenescimento facial, o Palmitol Pentapeptídeo atua diretamente na derme, a camada intermediária da pele onde são produzidos o colágeno e a elastina. Ele “engana” as células da pele, fazendo-as acreditar que sofreram algum dano e, como resultado, elas começam a produzir mais colágeno para reparar a pele. Este aumento na produção de colágeno ajuda a firmar a pele e suavizar as rugas e linhas de expressão, resultando em uma aparência mais jovem.

Definitivamente o Matrixyl é um dos destaques do Sappire PDRN, ainda que seja possivel solicitar mesclas com ele.

Acetil hexapeptídeo, ou Argireline

O Acetil Hexapeptídeo-8, também conhecido como Argireline, é um peptídeo que atua de forma semelhante ao Botox, mas sem a necessidade de injeções intramusculares profundas. Acredita-se que esse peptídeo funciona ao interferir na liberação de neurotransmissores que causam a contração dos músculos faciais.

Ao inibir a contração muscular, o Acetil Hexapeptídeo-8 pode prevenir a formação de novas rugas e linhas de expressão, enquanto suaviza as existentes, ainda que de forma menos efetiva que os efeitos da toxina botulínica.

Glutationa

Na pele, a glutationa desempenha um papel crucial na proteção contra danos oxidativos e inflamação, ajudando a manter a pele saudável e jovem. Além disso, a glutationa tem a capacidade de inibir a produção de melanina, o pigmento que dá cor à nossa pele. Isso significa que ela pode ajudar a clarear a pele e reduzir a aparência de manchas escuras e hiperpigmentação já que consegue de alguma forma modular o processo inflamatório, que é um dos agentes desencadeantes do melasma

Mas porque o Sappire PDRN está irregular?

Foi tão mal feito, tão malandro o cadastramento deste produto junto à ANVISA que nem tenho como caracterizar ou comentar sem ser técnico. Para resumir, o Sappire PDRN está registrado como um cosmético GRAU 2.

Mais especificamente: cosmético GRAU 2, no item 43: “Produtos para rugas”.

É um cadastro tão rasteiro, tão … sei lá, vagabundo… que até o Creme Nivea tem um registro “hierarquicamente superior”.  Pomada minâncora tem um registro na Anvisa, enquanto o Sappire PDRN, que tem orientações claras de uso injetável, se acha “isento de registro”, e o distribuidor coloca o número de cadastro/processo como sendo o “registro Anvisa” do produto.

É de uma hipocrisia que não consigo medir…

Mas, direrente do EVO PDRN que ainda tenta disfarçar, falar que o uso injetável é off-label, que é o profissional que “usa do jeito que quer” (ainda que a EVO oriente o uso injetável, tenho videos de aulas da empresa mostrando isso), a Ibetex descaradamente colocou no site a forma de uso:

Injeções papulares (micropápulas) de 0,01-0,02 ml subcutâneamente até uma profundidade de 1,52 mm, com um intervalo de 1,5 cm. Uso de agulha , cânula ou dermapen.

  • Prevenção de mudanças relacionadas à idade;
  • Melhora na estrutura da pele;

Mesoterapia: Sappire PDRN 2,5 ml + salina 2,5-3ml

Pra não falarem que estou mentindo, veja o video a seguir, que é está no site da empresa:

Use por conta e risco

Veja que até agora sequer falei sobre a qualidade do produto, mas obviamente o uso deste produto é um risco ao profissional.

O uso de um “cosmético”, que é a classificação do Sappire PDRN, de forma injetável pode ser considerada, no caso de um litígio ou reclamação de paciente, como um ERRO MÉDICO, podendo ter consequencias até criminais para o profissional.

Expliquei isso em outro artigo, mas isso não é off-label, é uso errado.

Por coisas como esta que a Harmonização facial sofre. Uma tristeza ao constatar esta “ética dos novos tempos”.



Publicado por:
Mestre em Medicina/Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial, Prótese Dentária, Prótese Bucomaxilofacial e em Harmonização Orofacial. Coordenador de cursos em Implantodontia e Harmonização Orofacial do Instituto Velasco, Diretor do Hospital da Face. Trabalha desde 2011 em harmonização facial.